Ablação Cardíaca

segunda-feira, 18/jul/2016

A ablação cardíaca é uma forma de tratamento para casos de arritmias cardíacas ocasionadas por alterações nos impulsos gerados pelas câmaras superiores do coração (átrios), condição cardíaca conhecida como fibrilação atrial.

Durante o procedimento da ablação é realizada a cauterização dos focos da arritmia cardíaca. É minimamente invasivo e feito em local apropriado para cateterismos (sala hemodinâmica). Nele o especialista insere um cateter com o objetivo de alcançar o local acometido pela arritmia. Ao atingir o ponto ideal, são utilizadas técnicas de radiofrequência (ou por crioablação) que eliminam as células causadoras da alteração na frequência cardíaca do paciente.

Além disso, a ablação visa promover o isolamento das veias pulmonares do átrio esquerdo( berço da maioria dos casos de fibrilação atrial) a fim de evitar que o problema persista e, dessa forma, passe a causar outros danos à saúde do paciente.

O que é ablação

Quando a ablação cardíaca é indicada?

Na maioria das vezes os pacientes diagnosticados com fibrilação atrial apresentam sintomas que já representam fortes indícios de irregularidades cardíacas, tais como:

  • Fadiga;
  • Desequilíbrio;
  • Vertigem;
  • Falta de ar;
  • Dores na região do tórax;
  • Capacidade reduzida de realizar esforço físico;
  • Desmaios, entre outros.

No entanto, existem também casos de pacientes acometidos pela arritmia cardíaca que não apresentam nenhum alerta clínico ou sintoma e são diagnosticados com fibrilação atrial por meio de exame físico ou eletrocardiograma. De qualquer modo, é uma condição de saúde bastante séria e merece o tratamento adequado.

A ablação é uma conduta indicada pelos especialistas para a grande maioria dos casos de fibrilação atrial, devido, principalmente, representar um tratamento definitivo para boa parte das pessoas acometidas, podendo até eliminar a necessidade de o paciente continuar um tratamento paliativo por meio de medicamentos. Contudo, a ablação é, principalmente, indicada nos casos em que:

  • O paciente apresenta intolerância ou restrição médica aos medicamentos indicados para o tratamento da arritmia cardíaca;
  • Quando os remédios prescritos previamente pelo cardiologista não se demonstram eficientes para o controle da fibrilação atrial, ou
  • Casos nos quais o paciente apresenta uma atividade elétrica anormal no coração, podendo agravar o quadro clínico, levando ao aumento do risco de uma parada cardíaca.

Além disso, a ablação ainda previne o surgimento de efeitos colaterais dos medicamentos, como pode ocorrer em pacientes que realizam o tratamento da fibrilação atrial por meio de medicamentos de uso prolongado. Ela representa a cura para a arritmia cardíaca em até 80% dos casos, sendo muito possível que o paciente não precise mais utilizar medicamentos para o controle do ritmo cardíaco, dependendo do caso.

A ablação possui diversas vantagens em relação às demais formas de tratamento da fibrilação atrial. Caso esteja interessado em realizar a técnica ou possua dúvidas sobre o procedimento, entre em contato com os especialistas do IFA (Instituto de Fibrilação Atrial) e marque uma avaliação.

Ficou Interessado?

Agende Uma Consulta

Hospitais Credenciados