Fibrilação Atrial Crônica: Causas e Tratamentos

quarta-feira, 7/jun/2017

Fibrilação Atrial Crônica Causas e Tratamentos

 

A Fibrilação Atrial Crônica, também chamada de fibrilação auricular, é um tipo de arritmia cardíaca, caracterizada pelos batimentos rápidos e irregulares.

Há casos em que essa arritmia pode aparecer com bastante frequência e até permanentemente, embora nem sempre haja a necessidade de revertê-la.

Entretanto, os pacientes diagnosticados com fibrilação atrial devem procurar um acompanhamento médico. A arritmia pode ocasionar sintomas piores, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Causas da Fibrilação Atrial Crônica

A fibrilação atrial é marcada pela irregularidade na contração dos átrios (câmaras superiores do coração). Dessa maneira, os átrios começam a contrair sem ritmo sincronizado, ou seja, fibrilam.

A consequência dessa rapidez e irregularidade no batido é que o sangue não será bombardeado adequadamente para o resto do corpo, gerando fraqueza, fadiga ou sintomas mais graves.

Os diagnósticos de fibrilação atrial crônica nem sempre apontam para uma causa específica e clara sobre a arritmia.
Há, na verdade, diversas causa para isso, como, por exemplo, anomalias cardíacas existentes desde o nascimento.

Além disso, pessoas que sofreram danos na estrutura do coração após um ataque cardíaco também podem apresentar um quadro de fibrilação atrial.

O problema também pode estar em alguma válvula do coração. Entretanto, há casos de pessoas que apresentaram fibrilação atrial e tinham o coração normal – sem irregularidades.

Outras causas da Fibrilação Atrial Crônica

Ainda há outros tipos de causa para fibrilação, geradas por comportamentos e hábitos. Ou seja, hábitos podem facilitar a ocorrência da fibrilação atrial em pacientes que já apresentam predisposição para essa arritmia cardíaca.

Tabagismo e consumo excessivo de bebidas alcoólicas são hábitos que podem facilitar o aparecimento da arritmia.

A ausência de atividades físicas e a obesidade também são considerados fatores de risco.

Histórico familiar e doenças cardíacas também podem desencadear o aparecimento da fibrilação atrial. Assim como a hipertensão e a idade do paciente – pacientes mais velhos tendem a apresentar mais esse quadro.

Tratamentos Fibrilação Atrial Crônica

Há diversas formas de tratamento para a fibrilação atrial. Um cardiologista sempre deve ser consultado. Cabe ao médico decidir qual é o melhor tratamento para cada paciente e caso.

O paciente pode ser encaminhado para o uso de medicamentos, anticoagulantes e até mesmo o uso do marca-passos.

Mas, há casos que o paciente deve passar por um procedimento cirúrgico chamado de ablação cardíaca.
Este é um procedimento de baixo nível de invasão, feito com cateteres. A recuperação é rápida e, geralmente, o paciente recebe alta dentro de 24 horas.

Hospitais Credenciados