Prevalência da Fibrilação Atrial

quarta-feira, 21/jun/2017

Prevalência da Fibrilação Atrial

A maior prevalência da Fibrilação Atrial entre as doenças e enfermidades relacionadas ao coração vem preocupando médicos cardiologistas e especialistas da área.

Parte destes estudiosos e profissionais perceberam que a fibrilação atrial está cada vez mais comum, principalmente em classes de risco, como os idosos.

Por isso, é fundamental que essas pessoas procurem os médicos ao sentirem qualquer incômodo no peito e, principalmente, se estiverem entre as pessoas do grupo de risco.

Confira quais são esses grupos de risco:

  • Idosos

Há uma maior prevalência da fibrilação atrial, principalmente, em idosos. Pessoas mais velhas tendem a apresentar mais quadros dessa arritmia cardíaca, principalmente com o Acidente Vascular Cerebral (AVC) como consequência.

  • Obesos

A obesidade também é considerada um fator de risco para a fibrilação atrial. É extremamente indicado que os pacientes que possuem histórico familiar de problemas cardíacos passam a se exercitar mais e controlar o peso.

  • Histórico familiar

Diversos estudos revelam que os problemas cardíacos têm a ver com a herança genética. Por isso, caso o paciente tenha casos de insuficiência cardíaca, fibrilação atrial ou ataques cardíacos no histórico familiar, ele deve olhar com mais atenção para a saúde cardíaca.

  • Diabéticos e hipertensos

Cada vez mais os médicos estão percebendo a relação da fibrilação atrial com doenças como diabetes e hipertensão.

Muitas vezes, essas doenças aparecem com mais frequência tanto na terceira idade quanto em pacientes obesos.

  • Outros problemas cardíacos

Há ainda uma série de problemas cardíacos que podem ocasionar a fibrilação atrial. Entre eles: insuficiência cardíaca, ataques cardíacos, infarto agudo do miocárdio e valvopatia.

Pessoas que já passaram por cirurgias cardíacas também podem estar neste grupo.

  • Usuários de drogas, fumantes e usuários de álcool

O uso de drogas, o tabagismo e a ingestão excessiva de bebidas com teor alcoólico também são fatores de riscos para a ocorrência da fibrilação atrial, quando já há a predisposição no paciente.

Por isso, esses hábitos devem ser evitados em pacientes que apresentam problemas cardíacos no histórico familiar ou estão em outro grupo de risco.

Há prevenção para Fibrilação Atrial?

É fundamental que as pessoas com as características descritas acima tenham cuidados extras com a saúde do coração. Recomenda-se ter uma dieta equilibrada e saudável.

Além disso, a prática de atividades físicas regulares é fundamental para evitar a fibrilação atrial. É possível, por exemplo, fazer uma caminhada diária por cerca de 1h30.

Ter um acompanhamento médico também é fundamental. Por isso, você pode consultar um de nossos especialistas para tirar mais dúvidas sobre fibrilação atrial ou acompanhar o site do IFA.

Hospitais Credenciados